Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Educar      Família      
Home > O Céu e o Inferno
PARTE 2 – Exemplos-Cap. V- Suicidas - O pai do conscrito (Estudo 124 de 164)

       

Reflexões:

1. Por que, mesmo faltas “desculpáveis” como este suicídio, não podem ser imediatamente perdoadas?

2. Qual o peso da intenção na consequência das faltas?

 
PARTE 2 – Exemplos-Cap. V- Suicidas - O pai do conscrito - Conclusão Voltar ao estudo
 
CONCLUSÃO

1. Porque a falta, por mais atenuantes que tenha, precisa ser resgatada, revertida.
Uma vez que o Espírito cometeu um ato contrário à Lei Natural, ele precisa refazer seus passos e retificar a caminhada. É claro que os atenuantes (ou agravantes) farão grande diferença quando dessa retificação, assim como a arrependimento, o reconhecimento do erro, etc.

2. A intenção é tudo, pois é o que vale para Deus. Pode-se dizer que é o cadinho pelo qual é medida a consequência do ato praticado, pois configura aquilo que verdadeiramente está no coração da pessoa, reflete seu caráter.
1998-2015 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo