Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Educar      Família      
Home > O Evangelho
Sócrates e Platão, precursores da idéia cristã e do Espiritismo (Estudo 4 de 135)

       

-------------------------------------------------------------------
EESE004b - Introducao - Item IV
Tema: Socrates e Platao, precursores da idéia crista
e do Espiritismo
-------------------------------------------------------------------

A - Texto de Apoio:

* Do fato de haver Jesus conhecido a seita dos essenios, fora erroneo
concluir-se que a sua doutrina hauriu-a ele na dessa seita e que, se houvera
vivido noutro meio, teria professado outros principios. As grandes ideias
jamais irrompem de subito. As que assentam sobre a verdade sempre tem
precursores que lhes preparam parcialmente os caminhos.

* Socrates, como o Cristo, nada escreveu, ou, pelo menos, nenhum escrito
deixou. Como o Cristo, teve a morte dos criminosos, vitima do fanatismo, por
haver atacado as crencas que encontrara e colocado a virtude real acima da
hipocrisia e do simulacro das formas; por haver, numa palavra, combatido os
preconceitos religiosos.

* A doutrina de Socrates so´ temos conhecimento pelos escritos de seu
discipulo Platao.

* Resumo da doutrina de Socrates e de Platao:

I. O homem e uma alma encarnada.
II.A alma se transvia e perturba, quando se serve do corpo para considerar
qualquer objeto; tem vertigem, como se estivesse ebria, porque se prende a
coisas que estao, por sua natureza, sujeitas a mudancas; ao passo que,
quando contempla a sua propria essencia, dirige-se para o que e puro,
eterno, imortal, e, sendo ela desta natureza, permanece ai´ ligada, por
tanto tempo quanto passa.
III. Enquanto tivermos o nosso corpo e a alma se achar mergulhado nessa
corrupcao, nunca possuiremos o objeto dos nossos desejos: a verdade.
IV. A alma impura, nesse estado, se encontra oprimida e se ve^ de novo
arrastado para o mundo visivel, pelo horror do que e invisivel e imaterial.
V. Apos a nossa morte, o genio (daimon, demonio), que nos fora designado
durante a vida, leva-nos a um lugar onde se reunem todos os que tem de ser
conduzidas ao Hades, para serem julgados. As almas, depois de haverem estado
no Hades o tempo necessario, sao reconduzidas a esta vida em multiplos e
longos periodos.
VI. Os demonios ocupam o espaco que separa o ceu da Terra; constituem o laco
que une o Grande Todo a si mesmo. Nao entrando nunca a divindade em
comunicacao direta com o homem, e por intermedio dos demonios que os deuses
entram em comercio e se entretem com ele, quer durante a vigilia, quer
durante o sono.
Obs.: A palavra daimon designava tanto seres malfazejos quanto todos os
Espiritos, em geral, dentre os quais se destacavam os Espiritos superiores,
chamados deuses, e os menos elevados, ou demonios propriamente ditos, que
comunicavam diretamente com os homens.
VII. A preocupacao constante do filosofo (tal como o compreendiam Socrates e
Platao) e, a de tomar o maior cuidado com a alma, menos pelo que respeita a
esta vida, que nao dura mais que um instante, do que tendo em vista a
eternidade.
VIII. Se a alma e imaterial, tem de passar, apos essa vida, a um mundo
igualmente invisivel e imaterial, do mesmo modo que o corpo, decompondo-se,
volta a materia.
IX. Se a morte fosse a dissolucao completa do homem, muito ganhariam com a
morte os maus, pois se veriam livres, ao mesmo tempo, do corpo, da alma e
dos vicios. Aquele que guarnecer a alma, nao de ornatos estranhos, mas com
os que lhe sao proprios, so´ esse podera aguardar tranquilamente a hora da
sua partida para o outro mundo.
X. O corpo conserva bem impressos os vestigios dos cuidados de que foi
objeto e dos acidentes que sofreu. Da-se o mesmo com a alma.
XI. De duas uma: ou a morte e uma destruicao absoluta, ou e passagem da
alma para outro lugar. Se tudo tem de extinguir-se, a morte sera como uma
dessas raras noites que passamos sem sonho e sem nenhuma consciencia de nos
mesmos. Todavia, se a morte e apenas uma mudanca de morada, a passagem para
o lugar onde os mortos se tem de reunir, que felicidade a de encontrarmos
la aqueles a quem conhecemos!
XII.Nunca se deve retribuir com outra uma injustica, nem fazer mal a
ninguem, seja qual for o dano que nos hajam causado.
XIII. E pelos frutos que se conhece a arvore. Toda acao deve ser
qualificada pelo que produz: qualifica-la de ma, quando dela provenha mal;
de boa, quando de^ origem ao bem.
XIV. A riqueza e um grande perigo. Todo homem que ama a riqueza nao ama a
si mesmo, nem ao que e seu; ama a uma coisa que lhe e ainda mais estranha
do que o que lhe pertence.
XV. As mais belas preces e os mais belos sacrificios prazem menos a
Divindade do que uma alma virtuosa que faz esforcos por se lhe assemelhar.
XVI. Chamo homem vicioso a esse amante vulgar, que mais ama o corpo do que a
alma.
XVII. A virtude nao pode ser ensinada; vem por dom de Deus aos que a
possuem.
XVIII. E disposicao natural em todos nos a de nos apercebermos muito menos
dos nossos defeitos, do que dos de outrem.
XIX. Se os medicos sao malsucedidos, tratando da maior parte das molestias,
e que tratam do corpo, sem tratarem da alma.
XX. Todos os homens, a partir da infancia, muito mais fazem de mal, do que
de bem.
XXI. Ajuizado seras, nao supondo que sabes o que ignoras.

B - Questao para estudo e dialogo virtual:

1 - Sendo Jesus um espirito de tao grande envergadura, por que haveria de
enviar Socrates e Platao para serem seus precursores?
  Conclusão deste estudo 
1998-2015 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo