Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Educar      Família      
Home > A Gênese
Caráter da revelação espírita (ítens 50 a 54) (Estudo 10 de 136)

       

1.- A terceira revelação é ao mesmo tempo produto de um ensino e fruto do trabalho,
da pesquisa e do livre exame. Veio numa época de emancipação e madureza intelectual
da humanidade, que já não aceitava às cegas o que se lhe apresentavam; ao contrário,
queria ver para onde a conduzem e saber o porquê e o como de cada coisa.

2.- Os Espíritos ensinam o que é necessário para guiar o homem no caminho da
verdade, mas não revelam o que ele pode por si mesmo descobrir. Deixam ao homem
o cuidado de discutir, verificar e submeter tudo à razão, fornecendo-lhe o princípio e os
materiais para aproveitá-los e pô-los em obra.

3.- A revelação espírita foi ministrada simultaneamente em muitos pontos, a homens
de condições sociais e graus de instrução diversos. Sendo assim, a conclusão sobre
que haviam de firmar-se as idéias não podiam sair senão do conjunto e da correlação
dos fatos. Caso contrário, cada qual se teria imobilizado na sua revelação parcial,
julgando possuir toda a verdade e ignorando que em cem outros lugares se obtinha
mais ou melhor.

4.- Tendo o ensino que ser coletivo e não individual, os Espíritos dividiram o trabalho,
disseminando os assuntos de estudo e observação como, em algumas fábricas, a
confecção de cada parte de um mesmo objeto é repartida por diversos operários. Assim,
a revelação fez-se parcialmente em diversos lugares e por uma multidão de
intermediários. É dessa maneira que prossegue ainda, pois que nem tudo foi revelado.

5.- Vindo as comunicações de Espíritos de todas as ordens, era preciso apreciar o grau
de confiança que a razão permitia conceder-lhes, distinguindo as idéias isoladas das que
tinham a sanção do ensino geral dos Espíritos e afastar as que eram notoriamente
contrariadas pela Ciência e pela lógica. Em suma, era preciso um centro de elaboração,
independente de qualquer idéia preconcebida, sem vinculação com seitas e com o compromisso de aceitar a verdade, embora contrária às opiniões pessoais.

6.- A publicação do Livro dos Espíritos foi o resultado da convergência dos trabalhos
individuais, fazendo nascer o caráter filosófico do Espiritismo, até então limitado às
experiências curiosas. A sua aceitação exprimiu os sentimentos da maioria e a sua
expectativa por uma explicação racional do que cada um obtinha em particular. Estando
de acordo com o ensino geral dos Espíritos, o seu ponto de convergência não foi o homem,
mas a idéia, que não morre quando emana de uma fonte superior.

7.- Como toda ciência, a Doutrina Espírita não é fruto do cérebro de um homem, mas de
observações sucessivas baseadas nas observações precedentes. Os Espíritos partiram
de um ponto conhecido para chegar ao desconhecido, daí ser gradativo o seu ensino.
Quando chega o momento oportuno, o ensino se generaliza e se unifica.

8.- Todavia, ao contrário das ciências, o Espiritismo em pouco anos conseguiu obter uma
grande soma de observações suficiente para formar uma doutrina. Isso por ser inumerável
a multidão de Espíritos que, por vontade de Deus, se manifestaram trazendo seus conhecimentos, possibilitando que todas as partes da doutrina fossem elaboradas simultaneamente. Por essa razão, bastou alguns anos para que se estruturasse um todo.

9.- Essa foi a vontade de Deus, para que mais rapidamente a doutrina fosse elaborada e
para que pudesse, pelo método comparativo, se verificar a universalidade do ensino.
Nenhuma de suas partes tem valor nem autoridade senão pela sua conexão com o
conjunto, devendo todas se harmonizarem e virem cada uma na hora oportuna.

10.- Não confiou Deus a um único Espírito o encargo de promulgar a doutrina, permitindo
ao menor e ao maior, tanto entre os Espíritos como entre os homens, trazer a sua
colaboração e estabelecer um laço de solidariedade cooperativa entre eles, que faltou às
doutrinas originadas de um tronco único.

11.- Como todo Espírito e todo homem dispõe de limitada soma de conhecimentos, nenhum
estava habilitado a tratar isoladamente das inúmeras questões que o Espiritismo envolve.
Daí por que a doutrina não poderia ser obra de um único Espírito nem de um único médium.
Tinha que emergir da coletividade dos trabalhos, sujeitos sempre aos métodos da
experimentação e da comparação utilizados por Kardec.


QUESTÕES PARA ESTUDO:

a) Por que Kardec afirma que o Espiritismo veio na época certa?

b) Qual a contribuição de Kardec para o advento da terceira revelação?

c) Além de possibilitar a rápida propagação da doutrina, qual o outro motivo de ser o seu
surgimento simultâneo em várias partes do globo?

d) Quais os critérios adotados por Kardec para a aceitação dos ensinamentos que recebia
através dos diversos médiuns?

e) Por que a elaboração da doutrina foi confiada a uma coletividade de Espíritos e não a
um só?




  Conclusão deste estudo 
1998-2015 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo