Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Educar      Família      
Home > A Gênese
Aumento ou diminuição do volume da Terra (item 15) (Estudo 62 de 136)

       

1.- Para sustentarem que o volume da Terra aumenta, alguns se fundam em que as plantas dão ao solo mais do que
dele tiram. No entanto, é preciso notar que as plantas se nutrem tanto - e até mais - das substâncias gasosas que
haurem na atmosfera, quanto das que sugam pelas raízes. Sabendo-se que a atmosfera faz parte integrante do globo
e que os gases que a constituem provêm da decomposição dos corpos sólidos que, por sua vez, recompondo-se,
retomam o que lhe haviam dado, podemos concluir que o que ocorre é uma simples troca de posição, uma permanente
transformação, sem que se produza qualquer aumento da massa.

2.- Se, por essa causa, a parte sólida do globo aumentasse de modo permanente, isso se daria à custa da atmosfera,
que diminuiria de outro tanto e acabaria por se tornar imprópria à vida, caso não recuperasse o que perde, através da decomposição dos corpos sólidos.

3.- Na origem da Terra, as primeiras camadas geológicas, formadas da condensação pelo resfriamento das matérias
sólidas momentaneamente volatilizadas por efeito da alta temperatura, se precipitaram, elevando um pouco a superfície
do solo. Essa elevação, porém, se deu sem que a massa total sofresse qualquer acréscimo, uma vez que apenas
houve um deslocamento de matéria.

4.- Considerada desse ponto de vista, a massa do globo, isto é, a soma das moléculas que compõem o conjunto de
suas partes sólidas, líquidas e gasosas é incontestavelmente a mesma, desde a sua origem. Se experimentasse uma
dilatação ou uma condensação, o volume do globo aumentaria ou diminuiria, sem que a massa sofresse qualquer
alteração. Portanto, se a Terra viesse sofrer um aumento de massa, o fato seria efeito de uma causa estranha, pois
que ela não poderia tirar de de si mesma os elementos necessários a esse aumento.

5.- Há, com efeito, uma opinião segundo a qual o globo aumentaria de massa e de volume pelo afluxo da matéria
cósmica interplanetária. Esta é uma idéia a ser ainda confirmada ou não pela Ciência. A esse respeito, a seguir, a
opinião de Galileu, através de mensagem recebida na Sociedade Estudos Espíritas de Paris, em 1868, mencionada por
Allan Kardec:

«Os mundos se esgotam pelo envelhecimento e tendem a dissolver-se para servir de elementos de formação a outros
universos. Restituem pouco a pouco ao fluído cósmico universal do espaço o que dele tiraram para formar-se. Além
disso, todos os corpos se gastam pelo atrito; o movimento rápido e incessante do globo através do fluido cósmico dá
em resultado diminuir-se-lhe constantemente a massa, se bem que de quantidade inapreciável em determinado tempo.

A existência dos mundos pode, a meu ver, dividir-se em três períodos. - Primeiro período: condensação da matéria,
período esse em que o volume do globo diminui consideravelmente, conservando-se a mesma a massa. É o período da
infância. - Segundo período: contração, solidificação da crosta; eclosão dos germens, desenvolvimento da vida até à
aparição do tipo mais aperfeiçoado. Nesse momento, o globo está em toda a sua plenitude, é a época da virilidade; ele
perde, mas muito pouco, os seus elementos constitutivos. À medida que seus habitantes progridem espiritualmente,
passa ele ao período de decrescimento material; sofre perdas, não só em conseqüência do atrito, mas também pela desagregação das moléculas, como uma pedra dura que, corroída pelo tempo, acaba reduzida a poeira. Em seu duplo movimento de rotação e translação, ele entrega ao espaço parcelas fluidificadas da sua substância, até ao momento
em que se completa a sua dissolução.

Mas, então, como o poder de atração está na razão direta da massa, não digo do volume, diminuída a massa do globo, modificam-se as suas condições de equilíbrio no espaço. Dominado por planetas mais poderosos, aos quais ele não
pode fazer contrapeso, resultam dai desvios nos seus movimentos e, portanto, também profundas mudanças nas
condições da vida em sua superfície. Assim, nascimento, vida e morte; ou infância, virilidade, decrepitude são as três
fases por que passa toda aglomeração de matéria orgânica ou inorgânica. Indestrutível, só o Espírito, que não é matéria.»


QUESTÕES PARA ESTUDO

a) Segundo Kardec, como se daria o aumento ou a diminuição do volume da Terra?

b) E de acordo com Galileu?

c) Conforme a teoria de Galileu, a Terra um dia deixará de existir?

 
Aumento ou diminuição do volume da Terra (item 15) - Conclusão Voltar ao estudo
 
Alguns sustentam o aumento do volume da Terra em decorrência do acréscimo das plantas ao solo; outros, que esse
aumento se dá pela absorção de matéria cósmica interplanetária. Uma terceira teoria, de Galileu, exposta em mensagem
enviada à Sociedade de Estudos Espíritas de Paris, sustenta a diminuição do volume devido ao desgaste da matéria
sólida que compõe a massa do globo.


QUESTÕES PROPOSTAS PARA ESTUDO


a) Segundo Kardec, como se daria o aumento ou a diminuição do volume da Terra?

Kardec nos apresenta três teorias a respeito do tema: pela primeira, a Terra aumentaria de volume devido aos acréscimos
no solo operados pelas plantas; pela segunda, o volume do globo estaria sendo aumentado pelo afluxo de matéria cósmica interplanetária e, de acordo com a terceira, esse volume estaria sendo paulatinamente diminúido, devido ao desgaste da
matéria sólida que o compõe.

A segunda hipótese acima, Kardec destaca que carece de comprovação pela ciência, embora seja perfeitamente possível.
A terceira é a formulada por Galileu, que veremos em seguida. Quanto à primeira, entretanto, Kardec a refuta, com os
seguintes argumentos, embasados pela ciência:

O globo terrestre é composto de sua parte sólida, ou seja, o Planeta propriamente dito, com seus corpos acessórios
(vegetais) e da atmosfera que lhe é própria. Essa atmosfera se constitui dos gases que se formam da matéria existente
na parte sólida, que entra em decomposição e são, posteriormente, absorvidos pelos vegetais, que crescem, aumentando
o volume do solo. Portanto, há uma compensação. A matéria sólida se transforma em gases e vice-versa, alternativamente,
num processo de transformação permanente, regulado por leis naturais. A massa que forma a Terra - parte sólida, líquida
e gasosa - no entanto, é a mesma desde a sua formação, não havendo, nesse sentido, qualquer aumento ou diminuição
em seu volume.

Mesmo as primeiras camadas geológicas acrescidas ao seu solo foram formadas da condensação pelo resfriamento das matérias sólidas momentaneamente volatilizadas pela alta temperatura, sem que a massa total sofresse qualquer
aumento. Houve, tão somente, um deslocamento de matéria.


b) E de acordo com Galileu?

Segundo Galileu, considerando que o globo mantém-se em incessante e rápido movimento através do fluido cósmico e
que todos os corpos se gastam com esse tipo de atrito, a Terra tem a sua massa diminuída, constantemente, em
quantidade, porém, inapreciável num curto espaço tempo. Não só em conseqüência do atrito, mas também pela
desagregação das moléculas pela ação do tempo, a Terra restitui ao fluido cósmico universal, pouco a pouco, o que
dele retirou para se formar.
.

c) Conforme a teoria de Galileu, a Terra um dia deixará de existir?

De acordo com a teoria de Galileu, essa diminuição constante da massa da Terra ocasionará, num certo momento, a
sua completa dissolução. A diminuição da massa modificará as suas condições de equilíbrio no espaço, pois o poder
de atração está na razão direta da massa. O globo terrestre, então, será dominado por planetas mais poderosos, aos
quais não pode fazer contrapeso, sofrendo profundas mudanças nas condições de vida em sua superfície. Conclui
Galileu sua mensagem afirmando: "Assim, nascimento, vida e morte; ou infância, virilidade, decrepitude são as três
fases por que passa toda aglomeração de matéria orgânica ou inorgânica. Indestrutível, só o Espírito, que não é
matéria.
1998-2015 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo