Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Educar      Família      
Home > A Gênese
Formação primária dos seres vivos (itens 1 a 8) (Estudo 63 de 136)

       

1.- À medida que o globo terrestre foi adquirindo as condições necessárias às suas existências, as diversas espécies
animais foram aparecendo. Uma dúvida, no entanto, ainda não foi esclarecida pela ciência: essas espécies surgiram de
um único casal primitivo ou de muitos casais germinados simultaneamente em diversos pontos.

2.- Kardec considera a segunda hipótese a mais provável, conforme observações com base na própria ciência. O estudo
das camadas geológicas do globo atesta a presença das mesmas espécies animais em pontos afastados uns dos outros.
Essa multiplicação generalizada e, de certo modo, contemporânea, fora impossível com um único tipo primitivo. Além
disso, considerando-se a segurança com que se dá a Criação, seria imprevidência do Criador sujeitar a pluralidade das
espécies a um único casal, considerando-se as vicissitudes a que está sujeita a vida na Terra. Tudo, pois, indica que
houve criação simultânea e múltipla dos primeiros casais de cada espécie animal e vegetal.

3.- A formação dos primeiros seres vivos se pode deduzir, por analogia, da mesma lei em virtude da qual se formaram e
formam todos os dias os corpos inorgânicos. A Química considera elementares umas tantas substâncias, como o
oxigênio, o hidrogênio, o azoto, o carbono, o cloro, o iodo, o flúor, o enxofre, o fósforo e todos os metais. Combinando-se,
elas formam os corpos compostos: os óxidos, os ácidos, os álcalis, os saís e as inúmeras variedades que resultam da
combinação destes.


4.- A combinação de dois corpos para formar um terceiro exige especial concurso de circunstâncias: seja um determinado
grau de calor, de sequidão, ou de umidade; seja o movimento ou o repouso; seja uma corrente elétrica, etc. Se essas circunstâncias não se verificarem, a combinação não se operará. Quando há combinação, os corpos componentes perdem
suas propriedades características, enquanto o composto que deles resulta adquire outras, diferentes das daqueles.

5.- É assim, por exemplo, que o oxigênio e o hidrogênio, que são gases invisíveis, quimicamente combinados formam a
água, que é líquida, sólida, ou vaporosa, conforme a temperatura. Na água, a bem dizer, já não há oxigênio nem hidrogênio,
mas um corpo novo. Decomposta essa água, os dois gases, tornados livres, recobram suas propriedades: já não há água.
A mesma quantidade desse líquido pode ser assim, alternativamente, decomposta e recomposta, ao infinito.

6.- A composição e decomposição dos corpos se dão em virtude do grau de afinidade que os princípios elementares
guardam entre si. A formação da água, por exemplo, resulta da afinidade recíproca que existe entre o oxigênio e o
hidrogênio; mas, se se puser em contacto com a água um corpo que tenha com o oxigênio mais afinidade do que a que
este tem com o hidrogênio, a água se decompõe: o oxigênio é absorvido e o hidrogênio se liberta. Já não haverá água.

7.- Os corpos compostos se formam sempre em proporções definidas, isto é, pela combinação de uma certa quantidade
dos princípios constituintes. Assim, para formar a água, são necessárias uma parte de oxigênio e duas de hidrogênio. Se
duas partes de oxigênio forem combinadas com duas de hidrogênio, em vez de água ter-se-á o deutóxido de hidrogênio,
líquido corrosivo, formado, no entanto, dos mesmos elementos que entram na composição da água, porém noutra
proporção.

8 - Tal, em poucas palavras, a lei que preside à formação de todos os corpos da Natureza. A inumerável variedade deles
resulta de um número pequeno de princípios elementares combinados em proporções diferentes.


QUESTÕES PARA ESTUDO

a) Como se deu a aparição dos primeiros seres vivos na Terra?

b) Qual a hipótese mais provável para explicar a formação dos primeiros seres vivos?

c) Qual a explicação da Química para a composição e decomposição dos corpos?

  Conclusão deste estudo 
1998-2015 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo