Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Educar      Família      
Home > A Gênese
Formação primária dos seres vivos (itens 9 a 15) (Estudo 64 de 136)

       

1.- Em sua origem, a Terra não continha as matérias em combinação, mas, apenas, volatilizados os seus princípios
constitutivos. No ar, em estado gasoso, encontravam-se todas as substâncias primitivas. Precipitadas por efeito do
resfriamento, essas substâncias, sob o império de circunstâncias favoráveis, combinaram-se, segundo o grau de suas
afinidades moleculares. Foi então que se formaram as diversas variedades de carbonatos, de sulfatos, etc., a princípio
em dissolução nas águas depositadas. Depois, na superfície do solo.

2.- Se, por uma causa qualquer, a Terra voltasse ao estado primitivo de incandescência, tudo se decomporia; os
elementos se separariam; todas as substâncias fusíveis se fundiriam; todas as que são volatizáveis se volatilizariam.
Depois, outro resfriamento determinaria nova precipitação e de novo se formariam as antigas combinações. Estas
conclusões comprovam a importância da Química para a correta compreensão da Gênese, através das leis de afinidade
molecular.

3.- Na formação dos corpos sólidos, um dos mais notáveis fenômenos é o da cristalização, que consiste na forma
regular que assumem certas substâncias, ao passarem do estado líquido ou gasoso ao estado sólido. Essa forma varia
de acordo com a natureza da substância. O diamante, por exemplo, é carbono puro ou carvão cristalizado. Os desenhos
que no inverno se produzem sobre as vidraças são devidos à cristalização do vapor dágua durante a congelação. A
cristalização só se opera em certas circunstâncias favoráveis, fora das quais ela não pode se dar. São condições
essenciais o grau da temperatura e o repouso absoluto.

4.- A lei que preside a formação dos minerais conduz naturalmente à formação dos corpos orgânicos. A análise química
mostra que todas as substâncias vegetais e animais são compostas dos mesmos elementos que os corpos inorgânicos.
Desses elementos, o oxigênio, o hidrogênio, o azoto e o carbono são os que desempenham papel principal. Os outros
entram acessoriamente. Como no reino mineral, a diferença de proporções na combinação dos referidos elementos
produz todas as variedades de substâncias orgânicas e suas diversas propriedades, tais como: os músculos, os ossos,
o sangue, a bílis, os nervos, a matéria cerebral, a gordura, nos animais; a seiva, a madeira, as folhas, os frutos, as
essências, os óleos, as resinas, etc., nos vegetais. Assim, na formação dos animais e das plantas, nenhum corpo
especial entra que igualmente não se encontre no reino mineral.

5.- Alguns exemplos comuns darão a compreender as transformações que se operam no reino orgânico, pela só
modificação dos elementos constitutivos. No suco da uva, não há vinho, nem álcool, mas apenas água e açúcar. Quando
o suco fica maduro e são propícias as condições, produz-se nele um trabalho íntimo a que se dá o nome de fermentação.
Por esse trabalho, uma parte do açúcar se decompõe; o oxigênio, o hidrogênio e o carbono se separam e combinam nas
proporções necessárias a produzir o álcool, de sorte que, em se bebendo suco de uva, não se bebe realmente álcool,
pois que este ainda não existe. Ele se forma das partes constituintes da água e do açúcar, sem que haja, em suma, uma
molécula a mais ou a menos.

6.- Na semente de uma árvore, tampouco há madeiras, folhas, flores ou frutos e fora erro pueril crer-se que a árvore Inteira,
sob microscópica forma, ali se encontra. Quase não há, sequer, na semente, oxigênio, hidrogênio e carbono em
quantidade necessária a formar uma folha da árvore. Ela contém um gérmen que desabrocha, em sendo favoráveis as
condições. Esse gérmen se desenvolve por efeito dos sucos que haure da terra e dos gases que aspira do ar.

7.- As diferentes combinações dos elementos, para formação das substâncias minerais, vegetais e animais, não podem,
pois, operar-se, a não ser nos meios e em circunstâncias propícias; fora dessas circunstâncias, os princípios elementares
estão numa espécie de inércia. Mas, desde que as circunstâncias se tornam favoráveis, começa um trabalho de
elaboração; as moléculas entram em movimento, agitam-se, atraem-se, aproximando-se e se separam em virtude da lei
de afinidades e, por suas múltiplas combinações, compõem a infinita variedade das substâncias. Desapareçam essas condições e o trabalho subitamente cessa, para recomeçar quando elas de novo se apresentarem. É assim que a vegetação se ativa, enfraquece, pára e prossegue, sob a ação do calor, da luz, da umidade, do frio ou da seca; que esta
planta prospera, num clima ou num terreno, e se estiola ou perece noutros.

8 - O que diariamente se passa às nossas vistas pode colocar-nos na pista do que se passou na origem dos tempos,
porquanto as leis da Natureza não variam. Visto que são os mesmos os elementos constitutivos dos seres orgânicos
e inorgânicos; que os sabemos a formar incessantemente, em dadas circunstâncias, as pedras, as plantas e os frutos,
podemos concluir daí que os corpos dos primeiros seres vivos se formaram, como as primeiras pedras, pela reunião das moléculas elementares, em virtude da lei de afinidade, à medida que as condições da vitalidade do globo foram propícias
a esta ou àquela espécie. A semelhança de forma e de cores, na reprodução dos indivíduos de cada espécie, pode
comparar-se à semelhança de forma de cada espécie de cristal. Justapondo-se, sob a ação da mesma lei, as moléculas produzem conjunto análogo.


QUESTÕES PARA ESTUDO

a) Como a ciência, especialmente a Química, explica a formação dos corpos orgânicos sólidos?

b) São diferentes os elementos componentes dos seres orgânicos e inorgânicos?

c) De acordo com esses ensinamentos, podemos concluir que a matéria também não tem fim?

  Conclusão deste estudo 
1998-2015 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo