Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Educar      Família      
Home > A Gênese
Princípio espiritual - 2ª parte (itens 6 a 9) (Estudo 70 de 136)

       

1.- Terá o princípio espiritual sua fonte de origem no elemento cósmico universal? Será ele apenas uma transformação,
um modo de existência desse elemento, como a luz, a eletricidade, o calor, etc.? Se fosse assim, o princípio espiritual
sofreria as vicissitudes da matéria: extinguir-se-ia pela desagregação, como o princípio vital; sua existência seria
momentânea, como a do corpo, voltando ao nada, ou, o que daria na mesma, ao todo universal, quando viesse falecer.
Seria, numa palavra, a sanção das doutrinas materialistas.

2.- As propriedades específicas que se reconhecem no princípio espiritual provam que ele tem existência própria, pois
que, se sua origem estivesse na matéria, aquelas propriedades lhe faltariam. Desde que a inteligência e o pensamento
não podem ser atributos da matéria, chega-se, remontando dos efeitos à causa, à conclusão de que o elemento material
e o elemento espiritual são os dois princípios constitutivos do Universo. Individualizado, o elemento espiritual constitui os
seres chamados Espíritos, assim como, individualizado, o elemento material constitui os diferentes corpos da Natureza, orgânicos e inorgânicos, isto é, a matéria.

3.- Admitido o ser espiritual e não podendo ele proceder da matéria, qual a sua origem, seu ponto de partida?
Aqui, falecem absolutamente os meios de investigação, como para tudo o que diz respeito à origem das coisas. O
homem apenas pode comprovar o que existe. De tudo o mais, apenas lhe é dado formular hipóteses. Deus não lhe
outorgou esse conhecimento por estar fora do alcance da sua inteligência atual ou por não lhe ser útil, presentemente,
essa revelação.

4.- O que Deus permite que seus mensageiros revelem, o que, aliás, o próprio homem pode deduzir do princípio da
soberana justiça divina, é que todos procedem do mesmo ponto de partida, que são criados simples e ignorantes, com
igual aptidão para progredir e que todos atingirão o grau máximo da perfeição com seus esforços pessoais. Todos são
filhos do mesmo Pai, objeto de igual solicitude. Nenhum há mais favorecido ou melhor dotado do que os outros nem
dispensado do trabalho imposto aos demais para atingirem a meta.

5.- Ao mesmo tempo que criou, desde toda a eternidade, mundos materiais, Deus há criado, desde toda a eternidade,
seres espirituais. Se assim não fora, os mundos materiais careceriam de finalidade. Mais fácil seria conceberem-se
seres espirituais sem mundos materiais do que estes últimos sem aqueles. Nesse caso, o mundos materiais é que
teriam de fornecer aos seres espirituais elementos de atividade para o desenvolvimento de suas inteligências.

6.- Progredir é condição normal dos seres espirituais e a perfeição relativa o fim que lhes cumpre alcançar. Havendo
Deus criado incessantemente desde toda a eternidade, desde toda a eternidade também tem havido seres que
atingiram o ponto culminante da escala. Antes que existisse a Terra, mundos sem conta haviam sucedido a mundos
e, quando a Terra saiu do caos dos elementos, o espaço estava povoado de seres espirituais em todos os graus de adiantamento, desde os que surgiam para a vida até os que haviam tomado lugar entre os puros Espíritos, vulgarmente
chamados "anjos".


QUESTÕES PARA ESTUDO


aa) O princípio espiritual é também extraído do fluido cósmico universal?

b) Qual a origem do princípio espiritual?

c) E qual a sua destinação?

d) Podemos entender como tendo existido desde sempre a criação de mundos materiais e de seres espirituais?
  Conclusão deste estudo 
1998-2015 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo