Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Educar      Família      
Home > O Livro dos Espíritos
Duelo (Estudo 127 de 193)

       


a) O duelo é um assassínio e um costume absurdo, digno dos bárbaros. À
medida que a civilização avança, o homem vai compreendendo que o duelo
é tão ridículo quanto os combates em nome de Deus, outrora praticados.

b) Aquele que pratica o duelo sendo sabedor de sua própria fraqueza e de
que, quase certamente, sucumbirá pratica, na realidade, um suicídio. Quando
as probabilidades são as mesmas para ambos os duelistas, temos um assassínio
e um suicídio.

c) O duelista ocorre sempre em culpa, por atentar friamente contra a vida de
um semelhante e contra a própria vida, inutilmente e sem proveito para ninguém.

d) O chamado "ponto de honra" usado por uns para justificar a prática do duelo
é resultado do orgulho e da vaidade do homem, sentimentos que constituem o
que os Espíritos chamaram de "dupla chaga da humanidade".

e) Quando os homens se melhorarem e estiverem mais adiantados moralmente,
entenderão que o verdadeiro ponto de honra está acima das paixões terrenas e
que não repararão agravos com a morte de seu semelhante. Compreenderá que
a verdadeira honra está em reconhecer o erro, se cometeu alguma falta ou
perdoar, se a razão estiver do seu lado.


QUESTÕES PARA ESTUDO E PARTICIPAÇÃO:

1 - Em que casos podemos considerar o duelo conforme com as Leis Naturais?

2 - O que leva o homem a praticar o duelo?

3 - Como eliminar essa prática do seio da humanidade?


  Conclusão deste estudo 
1998-2015 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo