Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Educar      Família      
Home > O Livro dos Espíritos
Conhecimento do futuro (Estudo 150 de 193)

       


a) O futuro não pode ser ao homem revelado, somente o permitindo Deus em casos raros e excepcionais,
pois se o conhecesse o homem negligenciaria do presente e não obraria com liberdade, dado que seria
dominado pela idéia de que uma determinada coisa tem de acontecer.

b) Quando o conhecimento do futuro facilita a execução de uma coisa em vez de atrapalhar, Deus permite
que seja revelado, a fim de obrigar o homem a agir de modo diverso que faria se não lhe fosse feita essa
revelação. A perspectiva de um acontecimento pode sugerir pensamentos bons ou inspirar bons sentimentos.
Se a predição não se cumpre, a maneira como suportará a decepção por não ocorrer o previsto constituir-
-se-á numa prova, que ele triunfará ou não, conforme suportá-la.

c) Mesmo sabendo Deus se o homem passará ou não pela prova, essa será sempre necessária para dar ao
homem a responsabilidade pelas sua ação, uma vez que tem a liberdade de fazer ou não determinada coisa.
Dotado da faculdade de escolher entre o bem e o mal, a prova tem por efeito submetê-lo à tentação do mal,
embora saiba Deus se ele se sairá bem ou não.

d) Kardec faz uma comparação para facilitar o entendimento da questão, citando uma situação comum em
nosso cotidiano: por muita capaz que seja um estudante, por mais certeza que tenha de que se sairá bem na
prova, não se lhe confere grau algum sem o exame, sem que à prova se submeta. O que acontece na vida
espiritual.

e) Vemos, portanto, como salienta Kardec, quão sábia é a Providência ao ocultar do homem o conhecimento
do futuro. A certeza de um acontecimento venturoso o levaria à inação; a de um acontecimento infeliz, ao
desânimo. Ambas as situações o paralisariam, tolhendo sua iniciativa e o seu livre-arbítrio. A fatalidade dos
acontecimentos impediria o homem de exercer suas faculdades, daí não lhe ser permitido conhecer o futuro,
salvo em casos excepcionais.


QUESTÃO PARA ESTUDO E PARTICIPAÇÃO:

Como interpretarmos o desconhecimento do futuro pelo homem? Podemos considerá-lo uma misericórdia de
Deus para com suas criaturas? Por que?
  Conclusão deste estudo 
1998-2015 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo