Espiritismo Educação Recursos Ajuda Serviços
Estudos
Salas de Estudo      O Livro dos Espíritos      O Evangelho      A Gênese
O Livro dos Médiuns      Série André Luiz      Educar      Família      
Home > O Livro dos Espíritos
Paraíso, inferno e purgatório (2a. parte) (Estudo 186 de 193)

       

a) O céu não é um lugar onde os bons espíritos se reúnem, sem outra preocupação que a de gozar uma felicidade
passiva, por toda a eternidade. São os planetas, as estrelas e todos os mundos superiores, onde os espíritos gozam
plenamente suas faculdades, sem as tribulações da vida material nem as angústias peculiares à inferioridade.

b) Quando alguns espíritos falam em quarto, quinto ou sétimo céus exprimem seus diferentes graus de purificação e
de felicidade.

Comentário de Allan Kardec:

" O mesmo ocorre com outras expressões análogas, tais como: cidade das flores, cidade dos eleitos, primeira,
segunda ou terceira esfera, etc., que apenas são alegorias usadas por alguns Espíritos, quer como figuras, quer,
algumas vezes, por ignorância da realidade das coisas, e até das mais simples noções científicas. De acordo com a
idéia restrita que se fazia outrora dos lugares das penas e das recompensas e, sobretudo, de acordo com a opinião
de que a Terra era o centro do Universo, de que o firmamento formava uma abóbada e que havia uma região das
estrelas, o céu era situado no alto e o inferno em baixo. Daí as expressões: subir ao céu, estar no mais alto dos
céus, ser precipitado nos infernos. Hoje, que a Ciência demonstrou ser a Terra apenas, entre tantos milhões de
outros, uns dos menores mundos, sem importância especial; que traçou a história da sua formação e lhe descreveu
a constituição; que provou ser infinito o espaço, não haver alto nem baixo no Universo, teve-se que renunciar a
situar o céu acima das nuvens e o inferno nos lugares inferiores. Quanto ao purgatório, nenhum lugar lhe fora
designado. Estava reservado ao Espiritismo dar de tudo isso a explicação mais racional, mais grandiosa e, ao
mesmo tempo, mais consoladora para a humanidade. Pode-se assim dizer que trazemos em nós mesmos o nosso
inferno e o nosso paraíso. O purgatório, achamo-lo na encarnação, nas vidas corporais ou físicas."

c) Quando o Cristo disse "meu reino não é deste mundo", quis dizer, em sentido figurado, que o seu reinado se
exerce unicamente sobre os corações puros e desinteressados, onde quer que domine o amor do bem.

d) O bem reinará na Terra quando ela for habitada por espíritos predominantemente bons, que farão reine o amor
e a justiça. O homem atrairá para a Terra os bons espíritos por meio do progresso moral e praticando as leis de
Deus. Os maus espíritos se afastarão da Terra, quando estiverem banidos o orgulho e o egoísmo.

Dissertação de São Luís:

“Predita foi a transformação da Humanidade e vos avizinhais do momento em que se dará, momento cuja chegada
apressam todos os homens que auxiliam o progresso. Essa transformação se verificará por meio da encarnação de
Espíritos melhores, que constituirão na Terra uma geração nova. Então, os Espíritos dos maus, que a morte vai
ceifando dia a dia, e todos os que tentem deter a marcha das coisas serão daí excluídos, pois que viriam a estar
deslocados entre os homens de bem, cuja felicidade perturbariam. Irão para mundos novos, menos adiantados,
desempenhar missões penosas, trabalhando pelo seu próprio adiantamento, ao mesmo tempo que trabalharão pelo
de seus irmãos mais atrasados. Neste banimento de Espíritos da Terra transformada, não percebeis a sublime
alegoria do Paraíso perdido e, na vinda do homem para a Terra em semelhantes condições, trazendo em si o
gérmen de suas paixões e os vestígios da sua inferioridade primitiva, não descobris a não menos sublime alegoria
do pecado original? Considerado deste ponto de vista, o pecado original se prende à natureza ainda imperfeita do
homem que, assim, só é responsável por si mesmo, pelas suas próprias faltas e não pelas de seus pais.

Todos vós, homens de fé e de boa-vontade, trabalhai, portanto, com ânimo e zelo na grande obra da regeneração,
que colhereis pelo cêntuplo o grão que houverdes semeado. Ai dos que fecham os olhos à luz! Preparam para si
mesmos longos séculos de trevas e decepções. Ai dos que fazem dos bens deste mundo a fonte de todas as suas
alegrias! Terão que sofrer privações muito mais numerosas do que os gozos de que desfrutaram! Ai, sobretudo,
dos egoístas! Não acharão quem os ajude a carregar o fardo de suas misérias.”


QUESTÕES PARA ESTUDO:

1 - O que é o céu, segundo o Espiritismo?

2 - Como surgiu a concepção de céu adotada por alguns segmentos religiosos?

3 - Podemos entender ser possível a existência do céu aqui mesmo, na Terra?

4 - E o paraíso? Como conceituá-lo, segundo o ensinamento dos Espíritos?

  Conclusão deste estudo 
1998-2015 | CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo